Também pode lhe interessar:

Chrome terá botão "Não rastrear" (Do Not Track) para evitar cookies de rastreamento


Recurso "Do Not Track" permite que usuário informe aos sites que não deseja receber cookies de rastreamento.

A Google irá adicionar um botão “Do Not Track” (Não rastrear, em tradução livre) no Chrome até o fim deste ano. A decisão é uma reviravolta para a empresa, que sempre foi relutante em apoiar tecnologias que permitissem aos usuários optarem por desativar o rastreamento online feito por sites e anunciantes. 

Essa mudança de postura aconteceu depois que a Casa Branca apresentou um projeto de lei em relação aos direitos de privacidade e afirmou que deve apresentar uma nova legislação de privacidade online ao Congresso. 

Com isso, o Chrome se junta a outros browsers (como o Internet Explorer 9 e o Firefox) que já transmitem informações especiais a cada página HTTP visitada, avisando os sites de que o usuário não deseja ser rastreado. O Safari, navegador da Apple, não deixa essa opção muito clara, pois para ativá-la o usuário precisa selecionar a opção “Send Do Not Track HTTP Header” a partir do menu de Desenvolvedor do browser. A Apple pretende tornar essa opção mais simples de ser encontrada com o lançamento do Mountain Lion, previsto para o meio do ano, enquanto que o Opera ainda não suporta o recurso de forma nativa. 

“Este é um grande passo à frente” disse Jonathan Mayer, estudante da Standford University e um dos principais pesquisadores da instituição que trabalham na tecnologia anti-rastreamento, que utiliza informações no HTTP para desviar do rastreamento online. “Por muito tempo, o Google foi o último entre os maiores navegadores que continuava resistindo”. 

O Google e outros membros da DDA (Aliança da Publicidade Digital, em tradução livre) se comprometeram a oferecer suporte à tecnologia em seus sites, entretanto não ficou claro o que o “Não Rastrear” significa para as companhias e websites que irão interpretar o pedido do usuário para não ser rastreado. “Há duas partes: a primeira é a tecnologia, entretanto a segundo é o que ela significa àqueles que a apoiam, o que as empresas farão com isso” explicou Mayer. “É uma vitória ambígua para a tecnologia, porém em relação às políticas há muito a ser feito ainda”. 

De acordo com o estudante, os membros da DDA não concordaram que de fato não irão rastrear seus usuários, mas sim em não expedirem anúncios direcionados a partir de dados coletados por cookies de rastreamento, mecanismo que monitora os movimentos de uma pessoa entre um site e outro. 

“Grandes anunciantes da DDA [se comprometeram] a responder ao recurso de ‘Não Rastrear’, porém como será essa resposta ainda não fico claro, e temos outras preocupações para resolver” escreveu Alex Fowler, representante do setor de privacidade global de privacidade e políticas públicas da Mozilla em um post. Ambos especialistas salientaram que a discussão deve continuar durante o W3C (World Wide Web Consortium), evento no qual devem ser criadas políticas-padrão para toda indústria em relação às diretrizes do “Não Rastrear”

Fonte: IDGNow

Comentários

  1. o firefox já tem essa opção faz tempo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo, Gonçalo. É como está escrito no artigo.. O Google Chrome se junta aos demais (IE e Firefox).

      Abraço,

      Cesar JB

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros estão estragando o Facebook, diz Mark Zuckerberg

Como configurar domínios próprios do Blogger

Capas criativas do Orkut - Mande a sua